Aécio Neves, coragem para enfrentar os problemas

Advertisements

Segundo pesquisa, as eleições para presidente em 2014 poderiam ter segundo turno, Aécio Neves 2014 é um forte candidato para o PSDB

Durante as últimas semanas, as manifestações realizadas pelos brasileiros, tanto no país quanto no exterior, tomaram grandes proporções na mídia. Além de gerar desentendimentos nas mais diversas esferas, sejam elas políticas, sociais ou econômicas, o assunto abrangeu e envolveu grande parte da população brasileira. Neste cenário conturbado tiveram início as pesquisas eleitorais para as Eleições Presidenciais de 2014, que mostraram nomes como os de Aécio Neves para presidente e Marina Silva com maior popularidade, principalmente quando comparados ao da presidente Dilma Rousseff.

A pesquisa realizada pelo Datafolha mostra que as intenções de votos, para a reeleição da atual presidente nas próximas eleições, caíram de 51% para 30% no mês de junho, após o início dos protestos, que eram contra o aumento de R$ 0,20 nas tarifas dos transportes públicos de São Paulo e do Rio de Janeiro.

A população está cansada de ter os mesmos nomes e as mesmas políticas governando ano após ano, sem que os problemas sejam resolvidos. Por esse motivo, políticos que até então estavam em segundo plano, agora passam a ser ouvidos com mais atenção, e com a oportunidade de darem continuidade a mudança que o país precisa. É neste contexto favorável a mudanças que Aécio Neves, presidente do PSDB, ganha cada vez mais seguidores para as próximas eleições.

No panorama atual, a pesquisa apurou que Dilma (PT) teria 30% dos votos, contra 23% de Marina Silva (Rede), 17% de Aécio Neves (PSDB) e 7% de Eduardo Campos. Ainda de acordo com a pesquisa, a porcentagem de Aécio 3% (de 14% foi para 17%) em relação às pesquisas anteriores, porém, é importante ressaltar que ainda que a pesquisa haja sido realizada em quase 200 cidades do país e que mais de 4700 pessoas entrevistadas, a amostra não é tão representativa quanto aparenta.

Discurso de Aécio Neves recebe apoio de senadores

As propostas apresentadas pela Presidente do Poder Executivo Dilma Rousseff para contornar a crise social que continuar gerando protesto em todo o país, ainda não é bem recebida por representantes políticos.  O senador Aécio Neves presidente do PSDB, sugeriu em reunião do Plenário do Senado desta terça-feira (26), medidas para responder as demandas da população e iniciativa foi muito bem recebida por parlamentares.

O discurso de presidenciável para eleições de 2014, Aécio Neves, propôs medidas que podem ser imediatamente aplicadas que responderiam as demandas que mais se repetem entre manifestantes de todo o Brasil. As pautas se subdividem em três partes: Transparência e do combate à corrupção, federação solidária e da melhoria da gestão e ética e da democracia. Cada parte detalha tarefas que, segundo membros do senado, são mais aplicáveis e objetivas que as sugeridas por Dilma Rousseff na reunião do dia anterior.

Vários senadores da oposição e inclusive alguns aliados do PT aprovaram a iniciativa do senador tucano.  Entre os colegas que estariam dispostos a adotar as medidas figuram o senador Agripino Maia (RN), presidente nacional do Democratas, Pedro Taques (PDT-MT) e a senadora Ana Amélia (PP-RS).

O manifesto apresentou-se em sintonia com o desconforto que existe entre dirigentes com a gestão de Dilma Rousseff, que pareceu vaga ante pedidos da população. O senador Cristovam Buarque (PDT-DF) foi conclusivo: “O senhor disse que, ao ouvir o discurso da presidente, tem a sensação de que o Brasil velho fala para o Brasil novo, que nasce nas ruas. Eu assino embaixo”.

Aécio Neves reúne forças contra proposta de plebiscito

Dirigentes de diferentes Estados compareceram nesta segunda-feira a convocação da presidente Dilma Rousseff para tratar uma série de medidas emergenciais pela crise social conseguiu decepcionar inclusive a alguns dirigentes do PT. A proposta que causou um desgosto generalizado foi a Reforma Política a través da realização de uma Assembleia Constituinte. Uma das vozes mais críticas continua sendo a do senador e pré-candidato a presidente presidente Aécio Neves em 2014 que liderou a oposição.

O mineiro Aécio Neves presidente do PSDB acusou a presidente de tentar distrair a todos com uma medida que passa uma responsabilidade da gestão do poder executivo para o Congresso. “É uma competência exclusiva do Congresso convocar plebiscito. Para desviar atenção, ela transfere ao Congresso uma prerrogativa que já é do Legislativo e não responde aos anseios da população”. O tucano reclama que Dilma parece que tomou posso ontem e que o PT não teve tempo para tomar todas as medidas emergenciais em 10 anos no poder.

Houve comunicação fluida entre diferentes partidos da oposição e o PSDB, DEM e MD (Mobilização Democrática) se manifestaram a favor de uma Reforma Política sempre que se estabeleça dentro dos padrões legais sem limitar o Congresso Nacional. Entre os questionamentos mais fortes está o silencio sobre pautas reivindicadas nas manifestações do país inteiro como a falta de clareza sobre a origem e o destino de fundos para financiar a construção de prédios e estádios para a receber a Copa do Mundo em 2014 e a votação da PEC 37 amplamente repudiada que repassa o poder de investigação de crimes do Ministério público para a polícia.

Aécio Neves acredita que Dilma deveria pedir desculpas às famílias que ficaram assustadas com boato de extinção do Bolsa Família

O novo presidente do PSDB, Aécio Neves, acredita que a presidente Dilma deve uma pedido de desculpas á população que ficou assustada com o boato da extinção do Bolsa Família e foi às pressas para a Caixa Econômica Federal.

O provável candidato à Presidência da República e presidente do PSDB Aécio Neves  alertou que muitos diretores das estatais brasileiras e alguns ministros escolhidos não estão preparados para exercer tais funções.

A notícia foi divulgada logo após uma confusão que girou em torno da possível extinção do Bolsa Família. O equívoco provocou uma corrida de beneficiários do programa às agências da Caixa Econômica Federal em busca de saques. “Isso a meu ver é fruto desse aparelhamento excessivo da máquina pública que leva a desvios pessoas que não estão qualificadas para determinados cargos” afirmou Aécio Neves, presidente do PSDB.

— Na verdade, o que é lamentável é que assistimos mais uma vez, uma respeitável instituição, patrimônio do povo brasileiro, atuando em favor de um governo. A Caixa Econômica não é de um governo, porque os governos são circunstanciais. Ela é do Estado, portanto da sociedade brasileira, e como tal deveria agir concluiu Aécio Neves (PSDB-MG).

Aécio Neves diz que o Bolsa Família será mantido

Na última quinta-feira(23/5) o novo presidente do PSDB e possível candidato à presidência em 2014, Aécio Neves (PSDB), participou do Programa do Ratinho, no quadro “Dois dedos de prosa”. A presença do mineiro serviu para estreitar ainda mais a relação do comandante do PSDB com a população do Brasil.

Ao ser questionado se mudaria o programa atual de governo, Aécio Neves (PSDB) disse que não e que o programa de distribuição de renda nasceu na gestão do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (1995-2002). “O Bolsa Família é uma criação nossa. Os programas de transferência de renda foram criados por nós” afirmou Aécio.

Durante o programa, o senador Aécio Neves (PSDB-MG) fez críticas à condução da saúde, educação e segurança pública e destacou programas do governo paulista de Geraldo Alckmin, como o que estabelece a internação compulsória para dependentes de drogas.

Aécio Neves alerta para o perigo da criação dos perfis falsos na internet

Perfis falsos inundam as áreas de comentários de sites e blogs com palavras-chaves previamente definidas. Aécio Neves, presidente do PSDB relata que robôs são usados para induzir pesquisas com o claro objetivo de manipular os sistemas de busca de conteúdo; calúnias são disparadas de forma planejada e replicadas exaustivamente, com a pretensão de parecerem naturais.

Liberdades de imprensa, de informação e de opinião são conquistas definitivas da nossa sociedade. Calúnia, injúria e difamação são crimes. E assim devem ser tratados defendeu Aécio Neves (PSDB-MG).

A ex-senadora Marina Silvia afirmou que esse movimento foi observado quando internautas espalharam que ela defendia o deputado Marco Feliciano. Segundo Marina, em 2010, “já era visível essa militância dirigida, que depois se profissionalizou”.

“Ninguém discute os benefícios da internet, que carrega o sonho de um mundo mais plural e democrático. Tamanha transformação exige, porém, um novo senso ético e de responsabilidade compartilhada”, disse o presidente do PSDB Aécio Neves em sua coluna no jornal Folha de São Paulo.